29 de março de 2013

Uma Jornada de Awesomeness: Minha experiência com a Nerdfighteria


Hoje é o último dia da semana #TeoremaJohnGreen, portanto, é legal fechar com chave de ouro. Dessa vez, vou falar da minha experiência com a Nerdfighteria, e como ela acabou influenciando em vários campos da vida.

Em 2011, eu comecei a assistir os vídeos dos Vlogbrothers. Já conhecia o que era um nerdfighter, e me considerava um. O ruim era que não conhecia ninguém do Brasil que também compartilhasse a mesma paixão comigo. Até que, se não me engano, começo de 2012, fim de 2011 (ou foi no começo de 2011, não me lembro bem), conheci a Dayse, através do twitter mesmo. Minha empatia com ela foi imediata! Começamos a falar sobre Will Grayson, Will Grayson (Will, Will, que será lançado nos próximos meses pela Galera Record), livros YA em geral, e ficamos bastante amigos. Falamos também sobre a nerdfighteria, e fiquei muito feliz em saber que ela também era um nerdfighter (!!!!!11!!1!1!!!!!!!!!). Não cheguei a conhecer o grupo ainda, até que comprei um exemplar de Will Grayson, Will Grayson (sim, ele de novo!) no começo do ano passado, que veio com um bilhete dentro. Mas não era um bilhete qualquer.



Isso mesmo! Quando vi o bilhete, fiquei extasiado! Passei horas falando no twitter sobre isso, até que entro no facebook, e: TCHANAM! Fui adicionado ao legendary NerdfightersBR. Assim que entrei, já descobri quem tinha colocado o bilhete no livro, e mais e mais fui fazendo amizade com as pessoas de lá, E DESCOBRINDO QUE TINHA MUITO, MAS MUITO NERDFIGHTER EM FORTALEZA! Ok, muito é exagero, mas é um bom bocado de gente. E, para minha surpresa, alguns dos amigos que eu tinha nessas internets da vida também participavam do grupo! (Vide Iris e Bell).

Com o passar do tempo, fui me entrosando mais e mais no grupo. Foram combinadas gatherings, os encontros de nerdfighters pelo Brasil, e assim tive o prazer de conhecê-los pessoalmente.


Apesar de eu ter saído muito mal na foto, a tarde com eles foi incrível! No início foi bem estranho, porque todos eles eram mais velhos do que eu, e já se conheciam pessoalmente, já eram amigos e, enfim. Foi complicado, me senti um pouco deslocado, mas logo conseguiram me encaixar no grupo e fiquei extremamente feliz em ter conhecido ao vivo aquelas pessoas que estavam sempre fazendo cometários perspicazes e aleatórios e fantásticos e-


Aí já fiquei envolvido na Nerdfighteria daqui de verdade. Hoje, fico muito feliz em ter conseguido deixar a timidez um pouco de lado e conhecer essa galera toda. Acho que nunca aprendi tanto quanto aprendi nesse tempo todo em que estou nessa comunidade. Sério! Nós falamos de tudo, surtamos sobre tudo, e pensamos sobre tudo. Claro que há momentos em que a gente se distancia por motivos variados, mas, não dá. A gente sempre acaba voltando.

Para terminar, dou minha declaração de amor à Nerdfighteria. Sou muito grato por todas as pessoas que conheci, as coisas que aprendi, os seriados, filmes e livros que conheci, o suporte de algumas pessoas que recebi quando precisei, ao John, ao Hank, aos livros do John, ao bilhete que encontrei em Will Grayson, Will Grayson (que guardo até hoje) e a todo o resto.

Até mais, e DFTBA.


O resultado da promoção "Eu sou um gênio" irá sair às 20h no Este Já Li. Não perca!

Mateus Bandeira - @mateusbnd. 18 anos. Estudante de Cinema e Audiovisual na UFC e criador do Padoka. Apaixonado por cinema, música e literatura, espera algum dia viver de alguma dessas coisas - ou de todas elas. Sucker de cultura pop.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

E então, o que achou do post? Comente aqui!